sábado, outubro 29, 2005

Em casas normais

ouvem-se coisas do género: "Filho, não te metas nos charros..."

Na minha casa ouve-se a voz da senhora minha mãe dizendo: "Mãe, não se meta nas empadas...".

É. A minha avó ta viciada em empadas. E se vissem a empedrada com que fica!...

segunda-feira, outubro 24, 2005

O grande problema dos pais

é que passam mais de metade da vida dos filhos a tentarem dizer-lhes o que é melhor para eles. Para nós. E como é que os pais sabem o que é melhor para nós? Porque passam a vida a sonhar alto sobre aquilo que poderíamos ser, aquilo que poderíamos conseguir e isso tudo. O problema é que os filhos também sonham e, frequentemente, sonham coisas diferentes. E no fim ainda sabemos que fomos nós, filhos, que estragámos tudo.

domingo, outubro 16, 2005

Ás vezes desconfio

que a vida é um grande baile de gala onde todos desfilam ostentando as suas glórias e virtudes para depois chegar a casa e descobrir que afinal as meias estavam cheias de malhas.

(outras vezes a neura passa-me e pronto)

quinta-feira, outubro 13, 2005

vou ali a roma

mas já ca volto.

(devia eu ter escrito à 4 dias atrás. já voltei, foi giro foi... mais vale tarde do que nunca?)

quinta-feira, outubro 06, 2005

7h00 da manhã.

Levanto-me azuada. Banho, vestir, café. Tentar abrir os olhos, nopes, ainda não é desta. Chego ao carro, oh bolas. Dois otários estacionaram muito muito muito juntinho do meu carro, um centímetro para cada lado. Bom, ao menos o meu carro não sofreu de falta de calor automóvel (à falta de calor humano). Penso cá para mim, abrir os olhos ainda não consigo mas já começo com as piadinhas secas... ainda bem que acordo bem disposta, mesmo quando não estou totalmente acordada. Ok, outra piadinha seca.

Entro no carro a tentar tirá-lo dali. Pancadinha no carro de trás, azelha pá. Vá lá, foi devagarinho. Será que desta já passa? Muito muito devagarinho ponho-me a tentar... acho que passa, acho que vai passar, passou! E ouço uma brutal travagem: hiiiiiiiiiiiissshh (não estou muito certa que este seja o efeito sonoro de uma travagem mas vocês perceberam). Olho para o lado e tenho então um indivíduo de raça caucasiana, do sexo feminino, entre os 35 e 40 anos a gesticular que nem uma louca dentro de um golf branco, modelo antigo, comercial.

Olho para ela a gesticular, acho que me está a chamar maluca, parece muito muito furiosa e penso, céus, esta gente acorda cheia de energia! Faço-lhe um aceno com a mão, o que normalmente se usa como obrigada e preparo-me para seguir viagem agora que já descobri que o carro passou. Nopes, a dita personagem sai do carro dela em fúria, dá dois pontapés na porta do meu carro, chama-me puta e filha da puta, manda-me para aqueles sítios poucos produtivos, entra no carro e vai-se embora ainda a gesticular. Penso, céus, esta gente acorda mesmo cheia de energia! Isto foi um bocado alternativo logo para as 7h30 da manhã. Inda para mais, ela estava de sandálias... bom, não há azar, ainda bem que acordo bem disposta. E já tenho uma histórinha alternativa para contar lá na escolinha quando chegar.

Chego então à escolinha e digo: Ei malta... vocÊs nem sabem o que me aconteceu mesmo agora, as 7h30 da manhã!
E diz-me a Jodi: Olha, eu vi uma avestruz a passar a estrada em direcção à faculdade de ciências.
- Viste o quê?
- Uma avestruz. Ou um pavão, não sei. Tinha o tamanha de uma avestruz mas as cores de um pavão.
- Tás a gozar não tás? O que é que bebeste ou fumaste ontem à noite?
- Nada. Vi uma avestruz a passar a estrada em Lisboa, o que é que tem?
- Ahhh.... errr...
E prontos, foi assim que a minha manhã alternativa passou a ser uma manhã perfeitamente banal. Quem é que pode competir com uma avestruz a passear de manhã em Lisboa?
Ocorreu um erro neste dispositivo