sábado, julho 02, 2016

Brexit in a foreign perspective

Being from Portugal but actually have born  in Spain due to city border special conditions (I'm Portuguese, don't allow Spanish people to say otherwise!), I'm waiting in the airport for my flight to France, from England where I currently live in and from where I've been watching the brexit discussions, reactions and believings.

Here in the uk I live in a family house - the mother is from Peru, the father is 100% English, they've been together for around 20 years and have 3 great and funny kids. 

Now, the mother works part time because she has a big family to take care of; and the father is electrician and I bet he's a great one judging by all the stuff he did and does in the house but he has the philosophy that work is good but is no good to be a slave of work.  He does not see work as a personal development opportunity, he's not striving to be the best in his area. He can't say no to help people that have a problem that he can solve and pretty much that's it. To be fair, I think it's quite legit and I think they were really bright into finding a solution for the lack of pounds in the end of the month that has been created with this approach and 3 kids: They rent rooms and that's why I'm in the house. Dear reader, now is when the things start to be interesting, just watch:

The rooms are rented to me, Portuguese young worker in the uk - or whatever you want to call me; and to students, so far from Germany (the majority), Spain and Italy. This is due to some exchange programs between schools; one of the sons of this couple was last year in Germany for a couple of weeks too. 

They are great in receiving these students and myself - this should have been for me a provisory situation for n15 days and it lasts now for 1 year and an half. It's a familiar environment where they have time enough to be available and availability enough to care. Somehow things are working really fine for them, I've stayed for a long time, and the students always give such a good feedback that other students are sent again each new year. Apart from the happy environment in the house and for the internationality's the kids have in their own house, This has allowed the family to buy a holidays house in Bulgaria.

So this is it:
A family whose partial income comes from Europeans short therm students and workers; with a house in Bulgaria and with a immigrant mother. What do you think they vote for in English European referendum?

Think about it. We'll wait one more line. 

They voted for brexit.

Hum? Yes they did. 

Now, dear reader, if you are thinking "these are just stupid people without a clue" let me tell something - no they are not. If they were I wouldn't even bother to write this in the airport. There are a lot of new perfumes for me to try instead. That's the puzzling piece -let's assume - I know for a fact but you have to trust me, so just assume - that these people are not dumb. They are not misinformed. They were aware of the possible consequences and they are following the pound value everyday. I have two questions for you now:

1. Why, in these conditions and assuming they are not dumb, do you think they have voted brexit?

2. And.. How many more unlikely people, to your views, should have been smarter may also have vote in brexit ?

Sorry, one more question - the last one I promise: and why??

Now, this is where things start to be very interesting and until now I've shared the facts with you, from this point I'll share my opinion and my own speculations. There are too much opinions being spreads as facts so I want this to be clear. 

I think this is a clear message from England about the current system we are living in. It's enough of a capitalism that has no borders or limits; it's enough of an ambition that gets 10.000€ month but is not satisfied yet because some people earn 50.000€ month; it's enough of the 1% multi billionaires that in the end, what they do? They give away their money to institutions or they create institutions to help the world. A world that may not needed help if we got the system right...

I know, but this may look like a long shot, but Don't get me wrong - I'm a fan of globalisation when that means I can travel to everywhere. I'm aware that by being European I have the passport that allow me to visit the biggest number of cultures and countries. I've won the 1st prize of the best continent to be born in.  And I love the freedom of Internet - access to information anywhere about anything. And open your eyes because everyday internet is being limited and conditioned - the Internet we had in 2005 is not the same we have in 2016. The quest for "show me the information I want to know" or "show me the information that someone thinks I want to know" is creating filters - and in the virtual world, filters are the same as walls in the real word. 

But Anyway, don't get me wrong in other field - my parents have witnessed a communist dictatorship. And a "fascist" one too. Being Portuguese, these stories have been shared with me in the 1st person: I was there when this happened.

I can say is not about foreigners although the media may show otherwise. I'm not saying there is not any racism or xenophobism - I'm immigrant here - I can say they are is. But there is in a way of "how can this week Portuguese lady think that she knows better than I do!?". And sometimes
I can, sometimes I can't. I could have my feelings hurt but let me be honest with you - when I was in Portugal I may have thought the same about somebody from Bulgaria or romenia. Yes, I've felt my opinion doesn't really matter because I'm not from here so what could o know?? And I've had the same thought about foreigners in my own country. There is a difference between foreign people and native English? Yes there is. Like there always is in any other country for people that haven't never contacted that culture. It's also a responsibility of the emigrated people to show the native people - in a positive and nice way because that's the one that is really efficient - that they are under evaluating us. Just one more challenge for the immigrants - or maybe the best one ;)

Anyway, the point here, (in opinion not fact) is  that I don't have a clue about what the future holds for us, and I'm suspicious there is a lot of "fear speech" from "intellectuals" that are trying to avoid more countries step to the unsure and leave the current status quo more fragile. And I really hope that the UK and England do not fall under worst conditions because of some political moves. I think England can lead the way on showing off an adjusted possibility that allow us the same country mobility and the same country relationships, while creating more conditions for something that I call in my mind as a "sustainable capitalism". They had nothing to do with communism, but that somehow corrects the "mistake" the same England has made during  the XVIII - with the industrial revolution we had an opportunity to end hunger in the world word. We still have the resources enough to do that - lets do it this time, England?

I have my fingers crossed for England. Thanks for reading :)

terça-feira, junho 07, 2016

O Rui e os Dias*

Ele era boa pessoa, fazia os updates automáticos quando o tablet pedia, removia sempre o software em segurança, tinha uma conta poupança onde punha re-ligio-sa-men-te todos os meses uns bons 50 euros. Pedia recibos nos cafés, ia votar sempre que era preciso, desde que não estivesse a chover muito ou se as votações calhassem em período de férias, claro. Há muito que tinha deixado de discutir política e mesmo futebol discutia "com jeitinho", isto é, sem fazer muito alarido. Vá, uma laracha ou outra, um ou outro gozo com os amigos do clube rival, mas eles, eles acabavam sempre por ir buscar o campeonato de há 5 anos ou outro qualquer anterior e mais datas e nomes de jogadores que ele nem se lembrava e ele encolhia os ombros com meio sorriso e largava a conversa.

Estava inscrito num ginásio, um dia destes havia de voltar a começar a ir; quando se lembrava em algumas manhãs, até bebia um copo de àgua de um trago - tinha lido que fazia bem ao corpo, não custava tentar.
Gostava pouco de mudanças - da última vez que tinha sido obrigado a mudar de casa, durante um ano inteiro ia, de vez em quando, parar à porta do prédio antigo. Só quando a chave não funcionava na entrada cá de baixo é que se lembrava que já não morava ali e arrepiava caminho para a casa certa. "Que tontice" pensava, com um breve abanar de cabeça mas sem mais auto-crítica do que esses 3 segundos que lhe durava o pensamento. Às vezes ia jantar fora, normalmente com a equipa do trabalho, e depois um copo ao bairro alto. Reparava nas miúdas e nas mais graúdas que por lá rondavam mas era parco a fazer conversa. Já não ia para novo e as aventuras de uma noite que tivera eram mais que suficientes para se gabar aos colegas.

 Hoje em dia aborrecia-o um bocado a manhã seguinte, entre roupa fora do sítio e lençóis com restos de maquilhagem. E ter que arrumar a casa e lavar os lençóis mesmo que não fosse dia disso, não, já tinha outra idade, já tinha outras prioridades, pensava para si mesmo. Além disso, aquela nova colega do trabalho - ele achava que havia ali uma química. Nova que já não era bem nova, fazia parte da outra equipa vai para dois anos; nunca tinham propriamente feito nada fora do trabalho nem trocado emails ou mensagens sobre outros temas além dos que lhes eram directamente responsabilidade corporativa. Mas às vezes, antes ou depois de uma reunião, ela fazia um bocadinho de conversa sobre o fim de semana seguinte e por duas vezes quando ela passou por ele a caminho da impressora, lhe pôs a mão no ombro. Não precisava mais espaço para passar, mas mesmo assim pôs. Havia ali uma química, ele sabia, mas mesmo assim não achava que era de fazer algo por isso. As coisas haveriam de acontecer naturalmente, se tivessem que acontecer. E enquanto aconteciam ou não, acontecia a vida a escorregar por entre os dias mais ou menos organizados. Se lhe perguntassem se era feliz diria que sim, vá, normalmente feliz, afinal de contas que razão tinha para ser infeliz? Nenhuma, portando deveria ser feliz, sim.

*publicado em primeira mao aqui:https://quemcontaumconto.pt/o-rui-e-os-dias 

quinta-feira, junho 02, 2016

Insónia com reflexos

Alguém passa na rua, passos apressados, está um frio que se entranha. São 02:17 da manhã e a qualquer hora neste bairro há sempre alguém que chega ou vai - os silêncios da noite são intervalos nas histórias das pessoas que não conhecemos – e está visto que não vou mesmo conseguir dormir. Levanto-me da cama, amanhã o dia custará mais mas pensar nisso costuma apenas tornar a noite ainda mais longa. Acendo um cigarro de frente para ti, o intervalo nas histórias das pessoas que não conhecemos faz sentir que o bairro se deixou suspender, talvez fora do mundo, e aqui dentro o que vejo é apenas tanta interrogação no lado de dentro do teu olhar.
Tão longe e distante, criou-se tanto espaço entre nós. 

Na minha cabeça há muito que as incertezas se divertem a estorvar os outros pensamentos, queria-te pedir para me levares de volta a quando éramos mais fortes, a quando olhávamos as dificuldades com um sorriso trocista e segurávamos a respiração num folêgo antes de arregaçar as mangas, como quem mergulha de muito alto. Olho as tuas sobrancelhas, olho o teu nariz, olho os teus lábios. Conheço-os de cor, se soubesse desenhar poderia desenhá-los de memória e no entanto enquanto os olho agora, não tenho sequer a mínima sensação de familiaridade. 
Estás diferente. 
Estamos diferentes. 
Suspiro fundo, não tenho a certeza que possamos voltar ao que fomos sabes? E vejo que no teu olhar também há dor, não sei como fazer para voltarmos a ter a coragem que tínhamos, e vejo que os teus lábios também se contraem de tristeza, não sei como havemos de fazer... na rua passa um carro - há sempre alguém que chega ou vai - passo a mão pela franja desalinhada, suspiro fundo. 

Às vezes há que desistir e isto nem sequer são horas. Olho-me uma vez mais no espelho e penso para comigo que pode ser que talvez um dia me encontre.

terça-feira, abril 26, 2016

weather report

*perdoem-me a falta de acentos e cedilhas, diz que neste teclado num teim assim que olhem, paciencia...

Diziam que vinha para a chuva e para o cinzento mas (afinal) tinha vindo era para os intervalos (intercalados), como por exemplo hoje de manha (logo cedo). A manha ia ensolarada (mas fria) e depois houve (assim de repente) uma pausa (pequenina) de chuva torrencial (como se tivessem aberto mangueiras). Logo depois (assim seguidinho) voltou o sol e manteve-se (pelo menos meia hora!) ate ficar cinzento (mas menos frio). 
E eh assim (eh mesmo) que se vive a Primavera (aos solucos) nesta ilha.

Era so isto (era mesmo).

segunda-feira, outubro 12, 2015

Os tropeções da Veva

Apresentava-se como Veva o que causava sempre alguma estranheza mas tinha fácil explicação:
era Vera o nome de baptizo mas os érres foram a última letra que aprendeu a dizer, numa fase em que já tinha pressa de chamar por si e de Vera passou a Veva e ficou assim.

Despachada já se vê que era, mas também trapalhona - fácil de adivinhar. Mais do que isso, a Veva tinha mesmo algumas particularidades que conforme quem as referia se tratavam ora de:
"engraçadas" (à vista de quem gostava dela),
"desesperantes" (à vista de quem precisava de resultados dela),
"inacreditáveis" (à vista de quem a acabava de a conhecer),
"aterrorizantes" (à vista dela mesma que não sabia como lidar com elas).

A questão era de fácil diagnóstico e de re-la-ti-va-men-te fácil solução (não tão fácil assim, já lá chegamos),

Acontece que a Veva tinha aprendido mal duas lições na vida. Não sabia apertar os atacadores dos sapatos como-deve-ser nem sabia amar do-jeito-certo. Seja lá o que for isso de apertar os atacadores dos sapatos como-deve-ser, afinal de contas há tantas formas diferentes de apertar os atacadores... mas todas resultam e a dela simplesmente não resultava. Como consequência, a Veva andava aos tropeções pela vida - derivado do primeiro problema - e punha as pessoas a quem queria bem aos tropeções também - derivado do segundo.

A Veva sabia que tinha um problema e procurava incessantemente pela solução. Em todo o lado lhe aparecia - ou lhe diziam - tens primeiro que aprender a amar-te a ti mesma, tens que aprender a estar sozinha, só quando te valorizares poderás fazer alguém feliz e a Veva continuava aos tropeções e a magoar a quem gostava, a tentar descobrir sozinha como se faz, sem nunca lhe ter ocorrido que talvez a lição não lhe servisse. Afinal de contas, quantas são as pessoas que aprenderam sem ajuda como se dão nós nos atacadores?

quarta-feira, agosto 19, 2015

monologos de inverno, no verao

Em Piccadily Circus grafittaram um anjo por cima dos azulejos brancos que indicam o caminho para a saída. No Panamá, uma senhora a quem restam 5 dentes acordou gritando pela noite fora, que um demónio lhe entrou pelo sonho adentro,
só pode ser premonição, algo terrível vai acontecer,
é o que vai dizer á vizinha dentro de umas horas, e a outra a benzer-se, e a outra a benzer-se como se isso apagasse o pesadelo já tido. 

Por aqui chove-me pelo jantar adentro, ouvi dizer que em Santa Luzia puseram uma estátua de um menino agarrado á pilinha, como se fosse brussels mas sem a originalidade de ser a primeira ou a vigésima quarta mil. Sabes quantas santas luzias existem no mundo? Se bem me lembro, em dubrovnick havia uma esplanada igual aquela do bairro do alto, onde estive uma vez a ver se te via aparecer na curva e não vieste e perdi um sapo. Perdi um sapo mas ganhei um novo sitio para ficar, exactamente quando me vim embora e nunca tive como tu essa fé inabalável nos recomeços de continuidade. As vezes não é uma questão de fé, ás vezes é uma questão do que é, tão certo como as ruas de Roma cheias de vespas de luz acesa, tão certo quanto o toque certeiro que se ouve em marraquesh, tão certo quanto os Hamer terem inventado um pequeno instrumento que os guerreiros levavam nas caçadas e que servia para colher as lágrimas que lhes escorriam por estarem do lado de lá do horizonte que conheciam. As viagens nunca foram fáceis, e no entanto sempre se fizeram por mais do que obrigação. Em português de portugal, "assentar" tanto quer dizer ficar no mesmo sitio como ganhar juízo. Já em português do brasil é dar algo para um santo. Vá-se lá perceber o espírito humano, vá-se lá perceber apenas uma pessoa no mundo inteiro, e a outra a benzer-se agora mesmo, agora mesmo.

terça-feira, julho 07, 2015

Sr Augusto Silva, o pescador

*this is for you mate. specially because you can't read portuguese ;)

O dia amanhece cinzento e enevoado, mais um dia na vida de Augusto Silva, 45 anos de idade e cerca de 20 de relações falhadas, umas a seguir às outras.

Aos 20 anos não tem mal nenhum andar-se a falhar relações, diz que é suposto e faz parte da “aprendizagem emocional”. Seja lá o que isso for. Quando a primeira ex-namorada lhe saiu porta fora entre gritos e malas mal feitas, Augusto Silva encolheu os ombros e pensou que ela era a louca. Gajas desequilibradas, desabafa com os amigos nas raras ocasiões em que eles deixam as mulheres em casa com os filhos. E os amigos dizem que sim, tu sempre tiveste tendência para gajas loucas, devias arranjar uma equilibrada e normal. Uma relação saudável, para variar, e Augusto Silva não sabia mais se eram elas que eram loucas ou se era ele que as estragava. Lembra-se da semana passada, roupas aventadas pela janela do terceiro andar e gritos vários sobre o monstro que ele era, entre várias comparações, metáforas, disfemismos e outros lirismos. Esta era tão louca como as outras, mas lá tinha que dar a mão à palmatória, tinha criativas formas de o insultar. Gajas desequilibradas, confirma, e lá dentro guarda a dúvida do que andará a fazer mal. Talvez deva ter mais paciência. Talvez deva conseguir engolir mais sapos. Talvez seja exigente demais – já lho disseram uma vez. Bom, mais vezes, mas foi sempre a mesma, se calhar não conta. Ou será que conta?

No bar passa uma miúda gira, terá uns 38 anos, aos 45 alguém com 38 é uma miúda, todos somos miúdos se não estamos já casados ou divorciados ou viúvos. Já houve outras mais novas, já houve outras mais velhas, todas loucas. Ou seria ele? Bah, desvia o olhar e nem tenta meter conversa, então Augusto, estás a desistir? Ah.. não.. é só hoje que não me apetece, de resto também não é nada de especial. Não me digas que ainda estás a pensar na outra. Sabes.. eu gostava mesmo desta. Gosto. Não sei o que correu mal. Achas que lhe ligue? Ao menos para saber que fiz de errado.. e se ela me ajuda a não o tornar a fazer...? Será demasiado cedo..? Será exigir demais? Augusto.. Err... Nem sei que te diga... Se quiseres mesmo... achas que vai servir de alguma coisa?

Achava que não, já tinha tentado outras vezes e concluiu de todas as vezes que estes exercícios melo-dramáticos só resultavam em mais agressividades trocadas. Que se lixe, já se tinham magoado demasiado, já se tinha magoado demasiado, se calhar era só melhor desistir. Ainda que houvessem mais peixes no mar, a verdade é que não eram as competências de pescador que lhe faltavam. O que fazer com os peixes depois é que lhe parecia escapar e muito. Ou se calhar era mesmo isso, não era sobre casar e ter filhos e uma vida estável, era sobre ter actividades de curto prazo com benefícios rápidos e a seguir, seguir para bingo. Afinal se resultava em tudo o resto na vida dele porque haveria de ser diferente neste tema?

Augusto Silva acabou a caneca de cerveja de um trago. Olhou de relance a miúda que tinha passado e virou costas. Hoje por certo não era noite de mais nada. E amanhã provavelmente também não.

segunda-feira, junho 01, 2015


Nasceu com um bloqueio no coração, sabes? Ao principio ninguém deu conta, era só um bebe que sorria pouco mas com o tempo aprendeu as alturas em que devia sorrir. Os momentos para o sorriso. E o bloqueio foi passando despercebido, tornou-se pior na adolescência, pelo menos acho que ela começou a suspeitar de alguma coisa diferente, quando lia poesia e se prendia nas métricas ou quando as amigas sussurravam em histéricos risinhos o nome do rapazinho que lhes corava as bochechas. Aprendeu a fazer parecido, a conhecer os momentos certos para este ou aquele suspiro, imitava na perfeição a vergonha mal disfarçada mas nunca conseguiu que as bochechas se lhe corassem. Também não chegou a ser preciso, nunca houve observador tao atento que lhe estranhasse a falta desse sinal quando os outros abundavam. Nem toda a gente cora, diria se lhe perguntassem, nem toda a gente chora, também haveria dito se lhe perguntassem mas ainda bem que nao perguntaram porque se calhar esta afirmação levantaria maior estranheza.

Nasceu com um bloqueio no coração, sabes? Acho que nunca ninguém deu conta mas ela sabia que havia algo de pouco natural na forma como antecipava os momentos para falar ou calar, na mestria como mostrava a reacção certa, no momento certo, quase como ensaiado. Não fazia colecções de muitas coisas, apenas de sinais disto ou daquilo. Caminhos lógicos para chegar a conclusões emocionais, decisões ponderadas para demonstrar impulsividade, surpresa ensaiada para não defraudar expectativas e alguns silêncios escondidos nas quatro paredes de sua casa para quando se cansava dos teatros dos dias.

Não sei se alguma vez foi realmente feliz. Quer dizer, sei que gostava de algumas coisas, gostava de andar de bicicleta rua abaixo, especialmente no final do verão quando acabavam de por asfalto novo que nunca durava ate ao ano seguinte. Gostava do cinema ao ar livre nas noites quentes, que a câmara montava no jardim. Eram poucos os momentos em que os olhos brilhavam mas suponho que mesmo com um bloqueio no coração possas sentir o vento na cara ou sonhar em ser outra coisa qualquer. 

quarta-feira, maio 20, 2015

virtual love

She started to write about a faked love, beautifully hand written and tender lover letters, words that would hold the smell of flowers and honey, poems that started by floating in the windows of her room and directly jumped for the ephemeral but the eternal virtual world. In a blink of one eye, her love poems spread all over the social networks. People would fall in love with her idea of love, sharing, liking, tagging and commenting and sharing again in other networks and spread those words like a virus. What did she do? She kept in silence and secret that she was writing to no one. She did try to blur herself, maybe that special one she was searching for, maybe he was out there... maybe her words would reach for him and someday he will answer to them.. silly ideas from a silly mind, she thought, and kept writing in the windows of her room, with her finger, praising him to search for her. He read her. Not across the ocean as it could have happened, but from a different city and a different computer. He started to follow her everywhere he stumbled on her profile: instagram, pinterest, facebook, twitter and others. He was one more of the thousand followers she had in all these networks. but he was the one that understood she was the kind of girl who love to stretch out under the sheets, eating chocolate, reading books and cuddling on rainy afternoons. He knew that words are powerful things that should not be written in a foggy window with a finger. He knew words can break hearts and make panties wet, and so he tried. He really tried. And for a couple of months, maybe for three couples of months, they've read each other trough the brightening monitors. All of the available ones: computer, laptop, tablet, smart phones. He kept trying, he even wrote a book with a full inscription to her. Printed. Distributed in the whole country. He even achieved success with his literally career, she kept writing in her windows and posting it across the web. She read him too. She had doubts. Would this be a coincidence? Could this be happening? She even wished that the name on the inscription of that book was her name, she opened a chat window in her laptop and stood there, with the finger in the air, not being able to draw on the screen the same words she kept leaving in the windows. She closed the program. Truth to be told, she was the kind of girl who love to stretch out under the sheets. He was a well known author, how in the world would he be thinking about her? And so she just kept writing love words in her windows, day dreaming about how sweet a true love could be, but how good it is a love that cannot disappoint you. Both of them still write. She writes for no one and he writes for her. And the whole world believes in such a beautiful love that has never existed outside their own imaginations.

quinta-feira, março 05, 2015

Sra Dona Roseta

Sra Dona Roseta trazia a alegria espelhada no olhar e o bem estar a colorir-lhe as bochechas. Era dai que vinha o seu nome de guerra e de festas, das rosetas bem coradas que lhe tingiam a cara e a alma, tanto em momentos de danca como nos outros de calma. 

Era muito querida no bairro, a sra dona Roseta, e toda a gente celebrava quando ela na rua passava. 

Bom dia sra Dona Roseta, como esta hoje? E ela com seu ar afogueado, dizia em tom despachado, ja estou atrasada, ja estou atrasada, um beijinho ao seu Joazinho, ele que volte depressa para casa!  E ia em direccao ah mercearia, escolher os ingredientes a dedo, eh que mais logo tenho visitas e queria preparar um piteu, entradas a preceito e um arroz de lingueirao, uns quantos doces e talvez um licor beirao. Eu ate costumo ter licor la da terra sabe, mas ontem acabaram-se-me com ele, a casa sempre cheia de gente mas eh isto que a gente leva da vida nao eh? E voltava rua acima, entre mais cumprimentos de bons dias, uma paragem aqui para dois dedos de conversa, outra paragem ali para os assuntos rapidos do jornal, e ficava mais rosado o bairro inteiro, entre piadas e arroz de fumeiro; a sra dona Roseta quando sai a rua eh como um dia de sol no meio do inverno, as cores tem mais cor, nao sei,, mas sei que sem a sra dona Roseta este bairro nao era o mesmo, dizia o ze merceiro e toda a gente o aplaudia.

terça-feira, fevereiro 24, 2015

Y es que como si no subiera más hablar tu lengua, like I was a foreing in my own body, not being able to reach yours, como si nunca hubiera entendido los colores del cielo ou ainda como se tivesse aprendido a caminhar ao contrário. Al revés. Sin hacer ruído, without a clearing direction or sense of urgency.

Quantos mundos consegues trazer dentro de ti? Y se paraba mirando sus manos vacías, I can’t even understand that question, can you repeat it please, can you stop it, please?

Aún que el planeta no termina de girar sobre sí mismo, toda a gente continua com as suas vidas sabes, and you can go as far as you wanna go because, tampoco importa dónde te podrás ir. La verdad es que siempre estarás beneath the same sun, olhando para a mesma lua, e as linhas que trazes na tua mão e que se te marcam um destino, no cambiaran más, no se cambiaram más. And even when you won’t be able to return home, terás um mar mais perto do que te imaginavas,
terás um mar a prometer-te sobre novos mundos, 
terás um mar a prometer-te novas conquistas, 
terás um mar a prometer-te novas descobertas 
e talvez hoje e amanhã 
não precisar de mais nada.

sexta-feira, fevereiro 13, 2015

um mes na ilha

Ontem fez um mes desde que apanhei o aviao em lisboa para me mudar com 3 malas de roupa, um ventilador, um secador, 3 livros em portugues e tres adaptadores de fichas, para Poole, Dorset.

- Bem vinda a ilha - deveria alguem ter dito, mas vamos la ver, quando aterras em heatrow toda a gente tem mais que fazer do que te dar as boas vindas. Isso eh no hawai, com os alohas, e em outros destinos de ferias tropicais. Aqui eh mais um vamuximbora que para a frente eh caminho, chega-te para o lado na escada rolante porque quem vem atras quer passar.

Alugamos um carro, convicta de que ia ser um causador de peripecias e afins, mas conduzir ao contrario revelou-se muito mais facil do que o previsto. Eh que eu nunca fui boa a dizer qual eh a esquerda e qual eh a direita, e como tudo acontece do lado certo, basta nao pensar muito nisso. Porreiro.

Algures agora, um mes depois, comecam-se a desenhar algumas teorias e improvisacoes sobre como viver nesta ilha.

A saber,

Thank you diz-se muito. A toda a hora e a todo o momento. Diz que eh polite, diz que eh bonito, diz que eh para usar e abusar. E nunca esquecer de o dizer em jeito de despedida ao senhor do autocarro. Eh pratica comum, sais do autocarro e agradeces a conducao. E se tiveres tempo e quiseres, ainda podes elogiar o bem que o senhor conduziu. Porque^? Por causa do tema seguinte:

Elogios sao mato. Chegas e achas que es a melhor do mundo porque numa semana elogiam-te mais do que num mes inteiro noutro sitio. "Ah, vou vencer nesta terra!! Sou mais do que o que eles alguma vez ja viram!!" Mas... chega o dia em que vais ao karaoke e recebes elogios por cantares. Nao so te deixam voltar ao palco uma segunda vez (o que em portugal nunca acontecey), como ainda te deixam voltar ao palco 5 vezes (sim, cantei 5 cancoes sem provocar danos fisicos a ninguem), como ainda te batem palmas em vez de assobiarem e rirem, como... ainda... me elogiaram. Pela primeira vez na minha vida inteira. Agora, pode ter-se dado o fenomeno milagroso de que repentinamente ganhaste um talento musical derivado sei la, do sentimento de nostalgia ou dos ares do vento da antartida. ou entao estes amigos tem o reflexo do elogio como quem diz "santinho" a um espirro. Pelo sim pelo nao, gravo um clip musical e envio para os meus amigos. As reaccoes nao trazem duvidas, estes amigos quando te fazem um elogio estao na verdade a dizer que te viram fazer algo e nao que o tenhas realmente feito bem.

O tempo que faz, o tempo que fez, o tempo que ira fazer. Todos os dias, durante todo o dia. Conversa-se sobre o tempo em qualquer sitio e em qualquer situacao, pode ser quando foste fumar, pode ser quando chegate a casa, pode ser quando te acabas de sentar no autocarro, pode ser quando estas a espera que te sirvam de gammon na cantina - que eh algo entre o fiambre e o bacon, mas acho que os nossos porcos portugueses nao tem aquela parte porque nunca tinha comido parecido. Primeiro criei a suspeita que estes amigos sao obcecados com o tempo. Algures com o avancar dos dias percebe-se que nao, falar do tempo eh na verdade uma ferramenta social que te permite auferir do interesse que alguem tem em comecar uma conversa contigo e que quer saber se tambem queres conversar. Explico melhor: lembram-se quando entramos na pre primaria e nao conheciamos ninguem e o miudo do lado olhou para nos com ar igualmente aflito e perguntou "ola, queres ser meu amigo?". Aqui em adultos fazem o mesmo, mas vem com a forma de "Hoje esta um dia bonito!", ou "Hoje nao esta muito frio" ou "que pena esta chuva, ontem esteve um dia tao bom". E depois esperam com ansiedade que a gente responda "sim, quero ser teu amigo", que na verdade se diz em sinal de concordancia. "Sim, esta mesmo um dia bonito", ou "sim, esta frio mas ao menos nao esta a chover" ou ainda "mas amanha ja nao chove, dao sol!" eh a forma como se diz que sim, eh para continuar a conversa. Se nao quisermos continuar a conversa? entao discordamos, que eh como quem diz, epah nao, ja tenho amigos que cheguem. "Nao gosto de tanto sol, fico aflito dos olhos" ou "nao acho que esteja assim tanto frio, ontem estava mais" ou "gosto da chuva" sao formas de negar conversa a alguem. Discordar sobre a apreciacao generalista que foi feita sobre o tempo causa 5 segs de silencio entre duas pessoas e depois uma dela vai embora. trigo limpo, farinha amparo!

Havia mais coisas deste genero, mas agora nao me lembro. lamento a falta de acentos e afins, os teclados daqui num teim tracinhos para se porem em cima das letras. e o facto de ter escrito este post a correr e sem revisao, mas.. era so para dar um ola neste cantinho! :)

quarta-feira, janeiro 07, 2015

historiazinha parte II

- mas a vida é o que é, e sabes, de todos os planos que fazemos e de tudo o que conquistamos ou perdemos, uma vez conheci um homem que me disse que o grande arrependimento da vida dele foi um dia ter visto um bocadinho de poeira ou uma palhinha, ele não sabia exactamente o quê, aterrar do lado de dentro de dois dedos de cabelo encaracolado de alguém que estava à sua frente e não ter tido coragem para lho tirar. Suponho que tenha imaginado que o simples gesto de lhe tocar no cabelo fosse suficiente para lhe mudar a vida inteira e tenha tido medo do que isso significaria. 

- achas mesmo que uma vida inteira pode ser mudada por tocares num cabelo alheio?

- acho. 

segunda-feira, dezembro 22, 2014

questões de fé

eu era capaz de acreditar que tu consegues, pondo os dois pés no chão com muita força, fazer abrandar o mundo da sua vertigem egoísta. eu era capaz de acreditar que te basta querer para fazer o tempo passar mais devagar, capaz de acreditar que as ondas do mar se espaçam para que tu mergulhes, como se até o oceano suspirasse só com a ideia de te abraçar. eu era capaz de acreditar que tu trazes o verão debaixo da pele, que esticas os braços para trazer ou afastar nuvens, conforme precisa quem se fica pouco acima da tua cintura. eu era capaz de acreditar que há sonhos enrodilhados no teu cabelo e que os veria se pudesse entrelaçar nele os meus dedos enquanto te deixas adormecer. eu até era capaz de acreditar que emprestas o teu cheiro aos raios de sol nos dias frios de inverno e que as lareiras existem para tentar recriar o carinho e calor que se sente quando se responde a um sorriso teu. eu era capaz de acreditar que a hora em que a noite se faz dia tem o mesmo nome que tu e que os pássaros emigram porque foste tu quem os ensinou a voar.

eu era capaz de acreditar que as razões do mundo tem mais a ver contigo do que com física ou ciência ou química e que a religião, digo a fé, nasceu na verdade de um toque suave da ponta dos teus dedos. eu era capaz de acreditar nisto tudo, mesmo sabendo que tu não. 

sexta-feira, dezembro 19, 2014


Sempre havia sido sozinho na vida.
Saiu de casa cedo de mais, aprendeu a desembaraçar-se cedo de mais, entendeu que nem ás paredes se contam segredos mas que é dentro das suas quatro paredes que existe o maior sossego desta vida. No entanto, foi só depois de adulto, depois de se ter apaixonado e juntado trapinhos, que percebeu enfim o que era realmente a solidão.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

4328 Horas

Onze mil, quinhentos e vinte e quatro dias de vida. Mais dia, menos dia, não sou boa de contas e também não me lembro deles todos.

Quatro mil, trezentas e vinte e oito horas, mais hora menos hora, não sou boa de contas e também não estiveste em todas elas. Dentro destas horas couberam cento e setenta e seis marés - mais maré menos maré - que levaram e trouxeram seiscentas e vinte e três mil, quatrocentas e cinquenta e duas ondas. É muita onda, ainda para mais porque só vimos umas dezenas a rebentarem-se-nos ao pé.

Foram 72 horas de lua cheia o que daria três dias inteiros de lua cheia, mas é uma parvoíce porque toda a gente sabe que foram antes 6 noites, que é como quem diz, 6 “meios-dias”. Seis “meios-dias” de lua cheia e nem 2 minutos de consciência dela. 
Mas não faz mal, hão-de haver mais porvir. 
Afinal de contas, a lua existe desde que o mundo é mundo, toda a gente que existe, toda a gente que já existiu, toda a humanidade desde os primórdios olha, de vez em quando, para a mesma lua. E normalmente suspira. Também há quem sorria.

Dois frascos de perfume, mais coisa menos coisa, porque lá em casa ainda sobra o cheiro agarrado aos tecidos. Uma mão cheia de gargalhadas, outra mão cheia de lágrimas, temos duas mãos, que mais haveria para agarrar em cada uma delas?

Oitenta e seis mil, quatrocentas e vinte e três canções, mais canção menos canção, e destas oitenta e seis mil e muitas há 3 que podíamos cantar em conjunto. Sem que mais ninguém ouvisse, que eu canto mal que dói.

Mil quatrocentos e 96 caracteres, agora mais uns quantos, e na verdade não há nem uma frase ou palavra que te saiba dizer. Mas há mais dias, e horas, há mais marés cheias de ondas, haverá mais “meios-dias” de lua cheia, frascos de perfume, canções e caracteres. 

E, se calhar, nem serão tão diferentes dos que existiram dentro das quatro mil, trezentas e vinte e oito horas, passadas na mesma margem de dois rios diferentes – o da ilusão e o da fé. 
Quem diria que não eram o mesmo.

quinta-feira, novembro 20, 2014

dizias que era impossível viver no país de deus,
que se podia sim atravessar o gramado de deus em bicicleta e eu fiquei com a ideia de risos misturados com grasnares de aves coloridas,
fiquei com a ideia de que o vento tinha um sabor adocicado,
fiquei com a ideia de que eras sombra feita de sal e que o cercado estava muito mais perto e que o gramado de deus devia ser muito mais extenso e que as bicicletas deviam ser mais lentas e nunca, nunca, te cheguei a dizer adeus.

dizias que havia um sítio onde estava sempre sol, que era só atravessar as nuvens - olha la, sempre sol - e que não seria nunca preciso mais nada alem de saber isto. passaram-se anos até te dizer que tens razão - tens razão - e os meus pais ainda dormem lá atrás, e aqui embaixo há um muçulmano que se prepara para as orações da manhã, daquele lado uma argentina chega a casa embrigada, meias rasgadas, o nascer de uma aurora, e algures ali há um chinês sozinho que aperta melhor a gravata ao espelho e respira fundo outra vez, que se prepara para causar boa impressão, de mãos nos bolsos não vá alguém notar que lhe tremem.

não sei se é o mundo que não chega,
se é o mundo que nos sobra,
nem tampouco sei das cores da tua camisa, das emoções dos teus olhos,
havia um sorriso - acho que havia um sorriso - dentro do lado do aceno. tu dizias adeus, em tom alegre e eu deixei-me só ficar surpreendida por um fim que não antevi e pela leveza do teu aceno. não sei que histórias contam as pedras do outros lugares, não sei que chão pisam as pessoas cujos medos e ansiedades não conheço, nunca te cheguei a dizer adeus mas aprendi a andar de bicicleta devagarinho e com as mãos nos bolsos.

Ocorreu um erro neste dispositivo