quarta-feira, agosto 28, 2013

A lenda de Ódelouca

No concelho de Almodovar há uma ribeira chamada de Ódelouca, vestígio de tempos antigos em que se conta que uma mulher descalça habitava estas margens, navegava nestas curtas águas, em busca da ´Verdade Última". 

Os locais reconheciam-na ao longe, trajando cores claras por entre as marcas da terra e da água, conversando com os peixes, as aves, os lobos, as árvores. Frequentemente gritava contra as pessoas que a observavam, um chorrilho de palavrões imperceptível, inventava insultos como uma raposa dá saltos em fuga: Rápida e ágil, punho erguido e cauda espetada. Poder-lhe-ia ser diagnosticada uma qualquer esquizofrenia marada ou ter pela frente uma carreira brilhante em consultoria, mas os tempos eram diferentes e as gentes só lhe tinham medo. 

Ora acontece que estávamos em 1189 e D. Sancho I enviou uma frota de Cruzados para conquistar Silves. O plano era fácil, subir o rio Arade, cercar a cidade e conquista-la aos mouros. Pilhar comidas e bebidas, riquezas e tristezas e depois, logo depois, seguir o caminho para a Terra Santa. Afinal de contas, foram estes raciocínios e necessidades que deram origem às estações de serviço para abastecer o carro e comer qualquer coisinha.

Ora acontece que os ditos cruzados cruzaram por terras erradas e acabaram a subir uma ribeira pouco navegável. "Eu bem te disse que era para a esquerda, cala-te tu nunca queres pedir direcções, mas via-se logo que era para a esquerda, desculpa lá mas a estrela polar não avisou"... e entre discussões para aqui e culpas para ali, vê-se chegar na margem uma senhora de ar calmo, vestes claras e cabelo ao vento. Prontamente os cruzados viram salvação, "oh minha senhora, o caminho para Silves? É por aqui?" e a senhora da ribeira olhando de ar esgazeado os mal cheirosos barbudos que ousam entrar-lhe no reino líquido logo grita uma série de impropérios tão comprida e feroz que os soldados logo se denortearam. Não contente com isso, arreia saias para cima (até ao joelho) e faz-se à água, diz-lhe que o que lhes falta é um processo para sairem dali, que falhar em planeamento é planear falhar, que deviam ter feito follow-ups mais apertados, que nem chegaram a atingir a milestone para o arranque do projecto e que as calças que usam são feias e nada modernas. 

Os soldados atazanados com uma mulher que lhes ousa falar assim, logo arregaçaram mangas para se porem ao trabalho, "agora faz isto, agora faz aquilo, agora o outro" e toda  a noite de trabalhos sob a direcção da louca levou à criação da bandeira triangular que tão importante foi para a navegação ao contrário do vento, durante os restantes descobrimentos uns anos mais tarde. 

Mas o legado da louca visionária foi maior, basta uma visita ao supermercado para ver os homens obedientes aos designios das mulheres, agora mete isto, agora vai buscar aquilo. Também pela louca os homens do mundo nunca mais pediram indicações para os caminhos, repetindo entre dentes que todos os caminhos vão dar a Silves se não parares para perguntar. 

No final Silves foi conquistada, os descobrimentos foram feitos mas o mundo jamais seria o que é hoje se não fosse a louca da ribeira de Odelouca.




quarta-feira, agosto 21, 2013

Dona Maria Fernanda

O sol espreguiça-se e cheira a manhã do lado de dentro da cama. Dona Maria Fernanda levanta-se devagar, parece que lhe custaram 54 anos a acordar e olha em seu redor com estranheza. Pensa que ali está ele, mais um dia em branco para preencher como quiser, entenda-se, como tem que ser mas dentro do como tem que ser, será como quiser. Era essa a promessa não era? Um dia em branco para começar a dar o melhor de si - era isso o que tinha que querer não era? Dona Maria Fernanda sentada na cama com 54 anos de sono e pensar que mau dia para acordar de vez. A sentir-lhe a frustação entranhada na barriga, a pensar-se grávida de revolta de uma vida que não escolheu e que não quis, das promessas feitas que nunca foram quebradas - estão apenas por cumprir. Há quase 54 anos também.

Dona Maria Fernanda levanta-se de vez, percorre o caminho até à casa de banho e faz xixi da maneira que quer que é também a melhor maneira que sabe. Dar o melhor de si mesma a fazer o xixi matinal. Dar o melhor de si mesma a esfregar-se no banho. Escolhe a roupa, penteia o cabelo, bebe leite com café, esfrega a maquilhagem do mesmo tom que a camisa que tem o tom dos sapatos. Um brinco e outro, o carro para o trabalho, Dona Maria Fernanda dá o melhor que sabe nas filas, nos semáforos, nas curvas. No estacionamento, ao dizer bom dia, Dona Maria Fernanda agenda reuniões, preenche impressos, procura informação e nem um cabelo lhe sai do sítio, nunca um esmorecimento de sorriso, Dona Maria Fernanda agarrou o dia para fazer o que quer - que tem que ser "ser o melhor possível", "ser simpática e agradável", "ouvir as outras pessoas", "pedir opinião e envolver os colegas", "não procrastinar", "combater a preguiça concentrado-se nos objectivos", "fazer mais e melhor", "planear e informar para não falhar", "agarrar as oportunidades que lhe aparecem com entusiasmo", "fazer network através de construir relações verdadeiras que se baseiam em fazer perguntas e mostrar interesse", que dia cheio tem Dona Maria Fernanda a fazer aquilo que quer que é o melhor que pode. Sem se comparar com os outros, sem criticar os outros, sempre procurando soluções e nunca responsabilidades.

Amanhã Dona Maria Fernanda tem nova oportunidade de fazer o melhor que pode com o dia que tem. Hoje escorregou num mal entendido, deu dois gritos a um colega, ignorou uma dead line para sair mais cedo. E sabe que acima de tudo Dona Maria Fernanda só se prejudica a si mesma porque assim pode nunca lhe aparecer a oportunidade que lhe poderia aparecer se Dona Maria Fernanda fosse o seu melhor em todas as situações, como quer em cada novo dia em que o sol se espreguiça lá fora.
Ocorreu um erro neste dispositivo