segunda-feira, março 21, 2011

Exercícios musculares habituais, parte XVII:

by taparuere.

Exercícios musculares habituais, parte XVII:

XVII partiu para longe. Preparou-se para a viagem carregando malas e sacos de bens essenciais que o iriam ajudar em todos os momentos especiais. Limpou os binóculos e preparou o mapa, calçou as botas novas especialmente compradas para todas as caminhadas, encheu o peito de ar e preparou-se para viajar.

XVII olhou em volta, cheio de orgulho, nas construções que a sua vida fizera. Um relógio novo no pulso, dois computadores na mala, uma máquina fotográfica topo de gama e uma gama completa de tipos de livros e cadernos para fintar a memória.

Quando partiu, nem se despediu e foi XVI e XVIII os que o viram pela janela a arrastar as malas e sacos até à primeira esquina... e depois voltar para trás.
________________________________________

Quase que toca a densidade do destino.
Toca e foge.
Foge para a toca.
________________________________

Tentou atentar na tentação. Ou não?
________________________________

Acho que ia atrás...

- Da rapariga do brinco de pérola?
- Não, de uma rapariga com brinco de lágrima.
- Mas feito de pérola? É a mesma!
- Não... ou então sim, mas onde vês pérola vejo lágrima.
- Ora, mas é a mesma coisa.
- Não é se onde vires força eu vir coragem de tentar disfarçar, não é se onde vires teimosia eu vir a necessidade de se agarrar às suas certezas para que o mundo não se lhe desabe, não é se onde vires sorrisos eu vir céu azul em qualquer dia chuvoso, não é se onde vires braços eu vir casa.
_________________________________

E mesmo assim descobriu...

Por debaixo de um sol brilhante podem nascer as maiores tempestades,
Por debaixo de um mar tranquilo podem rebentar as maiores ondas,
Por debaixo de um ar pacífico podem travar-se as mais sangrentas batalhas,
Pelo meio de uma brisa pode chegar o cheiro da viagem.
__________________________________

Sei de uma toca
em forma de lágrima
à beira mar,
onde as maiores
tempestades
rebentam com cheiro
a viagem em casa.
__________________________________

terça-feira, março 15, 2011

- O que queres ser, quando fores grande?
- Seguradora de pássaros bébés.
- Desculpa?
- Sim, quero ser seguradora de pássaros bébés.
- Porquê?
- Estou desconfiada que é o mais próximo que tenho para tentar aprender a segurar momentos, sopros de brisas, cheiros e cumplicidades.

sexta-feira, março 04, 2011

Rio(te) sem beira

É sexta-feira. E nos dedos escorrega-me a sensação de agarrar qualquer coisa que não toco…ainda. Soubesses tu o caminho até Marte, até Vénus, até Plutão. Quisesses tu saber a frequência dos planetas e dos pássaros que voam na rota da abstracção. Não há nuvens. Mas há muito branco por onde viajar. Viagens de ida sem volta porque as voltas, as voltas meu amor, dão-se todas nos caminhos feitos de mãos encontradas. Encontradas, não dadas, como nos contaram antes. Porque há muito tempo que me deste as tuas mãos e eu ainda não as encontro. Por exemplo. Hoje quando acordei tinha a certeza que a claridade vinda de dentro eras tu. Lembro-me de me assegurar dos teus dedos depositados debaixo da minha almofada, como presentes secretamente esperados nas manhãs que acordam sem o primeiro dente.

Já não somos crianças, eu sei. Mas há ainda dentes que caiem em forma de embrião e manhãs de presentes secretos com sabor a desejo. Eu ia jurar que me recolheste as pálpebras. Mas foi, talvez, um dente caído como folha de Outono onde se escorrega em alegria vã. Amanheço sem segredos debaixo da almofada. Tenho o desejo em linha de espera que não posso atender. Seria mais fácil ver-te numa distância pouco precisa. Pouco precisa, como quem não faz tanta falta assim. Como o primeiro dente.

Sabes o que tinha debaixo da almofada nessa manhã de quatro anos? Ou de cinco, ou seis. Não me lembro da idade. Só me lembro do dente a menos e do caderno a mais, da Mafalda. Ainda o tenho. Escrevi-me até à exaustão ainda sem me saber escrever ou dizer. Depois desse dente caíram mais. Mas maior foi o ritmo da chegada dos cadernos. Hoje já não têm a Mafalda na capa. Essa ficou-me na ponta dos dedos e na tinta escorrida para adivinhar o mundo. Para lhe descascar as capas. Pretas hoje. Para te adivinhar aqui. Escrevo-me ainda para te agarrar agora. Mas escorregas-me como água em contra-corrente.

quinta-feira, março 03, 2011

beira Rio-me

Dizes, hoje tudo é outra coisa qualquer. E por detrás dos olhos escorrem-te peixes, soltos num rio de palavras que fez do céu um chão de tons de violeta.
Dizes, hoje é tudo qualquer outra coisa. E por detrás dos cabelos soltam-se pássaros que esvoaçam dentro dos lagos que te escorrem pelas mãos.
Digo que acredito nos novelos vermelhos que vejo desenliarem-se na tua boca, quando o telhado da casa da frente bate telhas para descolar-se dos muros. Escondemo-nos por detrás das janelas cegas, não sei com que cores se pinta o mundo lá fora, só tenho um lápis cor de laranja que a única coisa que diz é traço.
Foi ontem que vimos as nuvens dançar o tango? Rio-me e digo-te que não, que sabes bem que as nuvens não dançam o tango, é a valsa meu amor, com cheiro a hortelã pimenta e tempero de gengibre.
Se me deres as mãos, as duas, inventamos palavras daquelas que parecem gomas. Daquelas que não se conseguem parar de comer, umas atrás das outras depois daquelas antes de estas. E tiras um fio de novelo vermelho que ficou preso entre os dentes, olhas com admiração e espanto mas sabes que qualquer coisa é tudo, hoje.
Foi ontem que as paredes se encheram de relva do lado de dentro? Digo-te sim, logo depois daquele sino enorme ter feito as paredes da igreja velha ruir. Relva e malmequeres, respondes que sim, malmequeres, mal-me-queres.
Ocorreu um erro neste dispositivo