segunda-feira, setembro 24, 2007

Senhoras e Senhores

Esta semana serão feitos os convites oficiais para mais um belo evento anual que dá pelo nome de S. Mateus.

Temos cortes de pessoal, este ano, mas também já temos pessoal cortes. Haverá estreias em tal evento, outros recorrentes.

Promete-se e garante-se diversão.

Os convites seguirão via e-mail ou sms... portanto, estejam atentos!!

:D

terça-feira, setembro 18, 2007

Apologia do Carmesim.

O meu grupo de amigos e eu tomámos, há coisa de alguns dias, uma resolução para o resto da vida. Uma espécie de propósito de ano novo, fora de época.

Decidimos, em conjunto, usar mais vezes a palavra "Carmesim". E porquê? Porque, meus amigos, a palavra "Carmesim" anda, neste momento, pelas ruas da amargura. Quase ninguém fala do "Carmesim" e no entanto, ele anda aí. Todos os dias, todas as horas há milhões de oportunidades desperdiçadas de dizer "Carmesim". Assim, "Carmesim" em voz alta e segura. "Car-me-sim". Bem demarcadas, as sílabas, naquele tom de quem sabe o que diz.

Mais a mais, o uso da palavra "Carmesim" traz imensas vantagens associadas. Dá um ar de seriedade a qualquer observação.

Reparem, hoje, durante o dia de trabalho, uma colega trazia vestida uma camisola cor de rosa. Cor-de-rosa não é Carmesim nem Carmesim é cor-de-rosa. No entanto, foi uma oportunidade que não desperdicei. Disse-lhe pois, "gosto da tua camisola quase Carmesim". E fez-se um silêncio respeituoso. A sério. Houve acenos de cabeça em concordância.

Se isto resultar como eu acho que resulta, imaginem-se num jantar barulhento. Copos e pratos, vozes altas e divertidas. Vocês, sem piada, a um canto, a tentar lutar por um bocadinho de atenção que vos denote como uma pessoa interessante. Vão por mim, experimentem dizer qualquer coisa do tipo "Estas toalhas ficavam melhor se fossem Carmesim". Tiro e queda, com apenas o uso do tom de voz normal, far-se-á um silêncio respeitoso em redor. Acenos de cabeça em concordância com a observação.

Não posso deixar de notar que, se a palavra carmesim tem saído em desuso, alguma razão haverá. Pergunto-me se foi a palavra que deixou de se usar, se foi a cor que deixou de fazer parte do mundo. Seja como for, há oportunidades para a usarmos e para não deixar morrer uma palavra e uma cor que fazem parte do nosso património histórico-social.

Por todas estas razões, eu vos peço que gritem bem alto comigo: "VAMOS SALVAR A PALAVRA CARMESIM!!!"

sexta-feira, setembro 14, 2007

Percepções

Acho sempre incrível a maneira como as percepções da mesma realidade conduzem a resultados que se tornam reais e que são aqueles com que temos que lidar.

A sério. Se isto fosse bem estudado, seria uma ferramenta de um poder inacreditável. É aqui que se operam todas as decisões, com base na percepção que temos: de uma pessoa, de um produto, de um acontecimento, de um facto.

Sim, nada é tão óbvio nem tão objectivo que não possa ser percepcionado de várias maneiras por diferentes pessoas. E é lindo, conforme o posicionamento que adoptamos face a um acontecimento (conforme a percepção que temos dele) criamos a mesma percepção nas outras pessoas - em princípio e à partida, a menos que a percepção de quem nos ouve em relação a nós seja qualquer coisa do tipo "esta não diz nada de jeito".

Isto tem um potencial absolutamente incrível para tudo e em tudo...


(Um post sobre um conjunto de divagações explícitas que não explicito e portanto torna-se algo "vazio" de conteúdo, eu sei, mas com a falta de tempo que tenho tido para o blog, já é alguma coisa... conto um dia destes reabilitar este blog à séria... um dia destes...)
Ocorreu um erro neste dispositivo