quarta-feira, agosto 21, 2013

Dona Maria Fernanda

O sol espreguiça-se e cheira a manhã do lado de dentro da cama. Dona Maria Fernanda levanta-se devagar, parece que lhe custaram 54 anos a acordar e olha em seu redor com estranheza. Pensa que ali está ele, mais um dia em branco para preencher como quiser, entenda-se, como tem que ser mas dentro do como tem que ser, será como quiser. Era essa a promessa não era? Um dia em branco para começar a dar o melhor de si - era isso o que tinha que querer não era? Dona Maria Fernanda sentada na cama com 54 anos de sono e pensar que mau dia para acordar de vez. A sentir-lhe a frustação entranhada na barriga, a pensar-se grávida de revolta de uma vida que não escolheu e que não quis, das promessas feitas que nunca foram quebradas - estão apenas por cumprir. Há quase 54 anos também.

Dona Maria Fernanda levanta-se de vez, percorre o caminho até à casa de banho e faz xixi da maneira que quer que é também a melhor maneira que sabe. Dar o melhor de si mesma a fazer o xixi matinal. Dar o melhor de si mesma a esfregar-se no banho. Escolhe a roupa, penteia o cabelo, bebe leite com café, esfrega a maquilhagem do mesmo tom que a camisa que tem o tom dos sapatos. Um brinco e outro, o carro para o trabalho, Dona Maria Fernanda dá o melhor que sabe nas filas, nos semáforos, nas curvas. No estacionamento, ao dizer bom dia, Dona Maria Fernanda agenda reuniões, preenche impressos, procura informação e nem um cabelo lhe sai do sítio, nunca um esmorecimento de sorriso, Dona Maria Fernanda agarrou o dia para fazer o que quer - que tem que ser "ser o melhor possível", "ser simpática e agradável", "ouvir as outras pessoas", "pedir opinião e envolver os colegas", "não procrastinar", "combater a preguiça concentrado-se nos objectivos", "fazer mais e melhor", "planear e informar para não falhar", "agarrar as oportunidades que lhe aparecem com entusiasmo", "fazer network através de construir relações verdadeiras que se baseiam em fazer perguntas e mostrar interesse", que dia cheio tem Dona Maria Fernanda a fazer aquilo que quer que é o melhor que pode. Sem se comparar com os outros, sem criticar os outros, sempre procurando soluções e nunca responsabilidades.

Amanhã Dona Maria Fernanda tem nova oportunidade de fazer o melhor que pode com o dia que tem. Hoje escorregou num mal entendido, deu dois gritos a um colega, ignorou uma dead line para sair mais cedo. E sabe que acima de tudo Dona Maria Fernanda só se prejudica a si mesma porque assim pode nunca lhe aparecer a oportunidade que lhe poderia aparecer se Dona Maria Fernanda fosse o seu melhor em todas as situações, como quer em cada novo dia em que o sol se espreguiça lá fora.
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo