sexta-feira, junho 24, 2011

Dona Bia

Dona Bia vivia atarefada entre duas histórias paralelas. De um amor para o outro, correrias escondidas e memórias secretas. Um malabarismo constante, acompanhado de arritmias pontuais, um ou outro susto elegante, formas aprendidas para disfarçar mais.

Dona Bia dividia-se para multiplicar os beijinhos, Dona Bia entretia-se a somar carinhos.

Sabia Dona Bia, que não podia durar eternamente, mas acreditava piamente que o fim seria sempre adiável.

Mas não sabia Dona Bia que a solidão que sentia se agravava a diário. Impedida da sua verdade desabafar, dia-a-dia mais se enterrava num fosso emaranhado de cruzamentos abafados.

Não sei eu quando será que Dona Bia se vai aperceber que este é um caminho seguro para a sua solidão lhe continuar a doer.
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo