segunda-feira, outubro 22, 2012

Nem sempre as coisas que se nos escapam entre os dedos caem no chão. Larguei pássaros suficientes para o saber. De todos, lembro-me de uma andorinha, adolescente feita, de asas sem mágoas mas assustada demais para se fazer a uma vida entre nuvens e migrações. Lembro-me de um tio de bigode a dizer que tinha que a atirar, lembro-me de mim a dizer que não, lembro-me dele ma tirar em homem decidido, apanhar balanço com a mão e atira-la por cima do telhado da casa do avô, lembro-me de ter antecipado a queda em elipse que o corpo mais pesado que a gravidade ia fazer e da surpresa no estômago quando a previsão se mostrou errada e o trajecto foi seguro e decidido. Por cima do telhado, para os lados do horizonte.

Não bastou abrir as mãos, ali, que isso já eu tinha tentado sem resultado. Foi violento e cheio de força, o atirar do bicho, o aventar do bicho, por cima de um telhado de uma casa. Gente que sabe, acho eu, se não, correu bem. Não me lembro qual tio era, duvido que se lembre da história também. Gostava de saber, se sabia mesmo ou se acreditou com palpite.

Nem sempre as trajectórias adivinhadas são as que se cumprem. Nem sempre há coragem para libertar algo. Como se o prender fosse mais do que uma ilusão, ou como se manter limitado fosse certo de que há a vontade de ficar.

Nem sempre as coisas que se nos escapam entre os dedos caem no chão. Larguei pássaros suficientes para o saber.





Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo