segunda-feira, novembro 26, 2012

V.


Há uma cidade onde as estradas são líquidas e as teimosias imunes à vontade de prender os pés no chão. Há uma cidade onde as ruas são feitas de marés e os homens não decidem os caminhos que percorrem, docilmente entregues a correntes e ventos, aprenderam à muito que os lemes são ilusões de controlo e que é na aceitação da descoberta imprevisível que se dobram esquinas de algas e lodo para se chegar a algum lado diferente, outro qualquer.

Há uma cidade construída por pontes a segurarem as margens dos caminhos, a servirem de aproximações ao que não nasceu junto, a quererem ligações ao que nunca foi uno. Dizem em outras cidades que não separe o homem aquilo que Deus juntou, mas nesta terra-água cabe ao homem juntar o que Deus separou.

Poderiam os homens deste estranho sítio serem homens-peixe, escorregadios e adaptados ao ambiente, mas a sua missão é maior do que a lei de darwin. trazem nos genes as improbabilidades acontecidas, trazem na pele as âncoras que os prendem ao não determinismo próprio.
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo