quinta-feira, dezembro 15, 2005

Piquena reflexão:

"Modo de emprego: aplique no cabelo molhado e massaje suavemente. Passe bem por àgua. (...) Em caso de dúvida ligue 800200766"

Reconheceram aquilo? Calculo que não. Eu explico: "aquilo" mais não é senão uma parte da transcrição da parte de trás de um champô. Nem sequer foi um champô escolhido a dedo, foi mesmo uma escolha aleatória. Pois, porque caso vocês ainda não tenham reparado, TODOS os champôs possuem no verso um "modo de emprego" seguido de um número telefónico de ajuda. Juro. Vão até à vossa banheira e verifiquem, eu espero.


Já está? Confirmado? Pois, eu bem disse. Não acreditaram em mim...

Agora reparem: quem raios é que precisa de um modo de emprego sobre champô?? Quer dizer, lavar a cabeça é algo que os nossos pais nos fazem em pequenos (mais as mães mas pronto) e que nós aprendemos por imitação. Tantas vezes vimos a nossa mãe a pôr um bocadinho de champô na mão e esfregar-nos a cabeça que já o podemos fazer sozinhos! E esse, é um dia grandioso e de grande expectativa emocional? Alguém que aí está se lembra da primeira vez que lavou a cabeça sozinho? O dia em que enfrentou de frente essa tremenda dificuldade e que a venceu munido de um frasco de champô e lendo no rótulo o "modo de emprego"? Não. Pois não.

O "modo de emprego" dos champôs só serviria para alguém que nunca tivesse lavado a cabeça nem nunca lha tivessem lavado. Imaginemos portanto um Tarzan encontrado nalguma mata que outrora fora selva. Encontra-se um menino da selva, agarra-se nele, tráz-se o rapaz para a sociedade e...? E provavelmente ele vai ser estudado por um bando de cientistas que lhe vão lavar a cabeça! Portanto, mais um que aprende por imitação! Ok, imaginemos que os cientistas não tavam com paciência para lavar a cabeça ao menino da selva recentemente encontrado, iam fazer o quê? Atirá-lo para uma banheira e dar-lhe um champô para mão? -" Toma, lê o rótulo". Já vocês calculam que a capacidade de leitura de um menino da selva não serve para descodificar o "modo de emprego" de um champô!

Pior do que isto, a linha de ajuda. Estão-se a imaginar ligar para uma linha de ajuda de um champô? Já alguém o fez? Alguém conhece alguém que o tenha feito? Alguém ouviu alguma história do primo da tia da sobrinha da amiga da ex-namorada daquele tipo que toda a gente ouviu falar e ninguém sabe quem é? É que ligar para uma linha de apoio de um champô é tão ridículo que nem sequer há mitos urbanos sobre isso!

Toda a gente já recebeu mails com perguntas frequentes sobre telemóveis, sobre ligações à internet, sobre companhias de seguro... onde estão os e-mails de perguntas frequentes à linha de apoio de champô?

"Desculpe, quanta quantidade de champô é que eu preciso mesmo de pôr para lavar o meu cabelo? Da raiz até à ponta são 31cm. Não, em decilitros por favor..."

Pior do que existir uma linha de apoio para a utilização de champô é imaginar que haja efectivamente gente a ligar para ela. E pior do que haver gente a ligar para ela é imaginar que haja gente que trabalhe nela!!

"Boa tarde, fala a Marta, em que posso ajudá-lo? Sim... bom, em decilitros são aproximadamente 12,3dcl mas recomendamos que use antes a sua mão. O processo é o seguinte, estique a mão com os dedos fechados, agora comece a fechá-la devagarinho até que as linhas da palma da mão se tornem bem definidas. Nessa altura preencha-a com champô. O processo científico que desenvolvemos assegura-nos que a quantidade certa de champô para cada pessoa está directamente relacionado com as linhas do destino da palma da mão..."

"E quanto ao amaciador?"

"Desculpa mas quanto ao amaciador não a podemos ajudar, terá que ligar para a linha de ajuda que vem na embalagem. Já não é o nosso departamento".
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo