segunda-feira, abril 04, 2011

A lenda da Berlenga ou o 1o moinho do mundo

by taparuere

Reza a lenda que na ilha da Berlenga mais pequena, também chamada de Berlenguita, nasceu uma miúda de olhos sorridentes que gostava de dançar sobre mar nas noites de lua cheia e queria transformar o mundo nos dias de sol.

Não vivia sozinha, nesse tempo lendário de onde não ficaram resquícios escritos. Habitavam na Berlenguita uma pequena comunidade de pessoas que conseguiam ver e ouvir o vento e falar a língua dos animais marinhos.

A miúda, que é a razão da nossa lenda, tinha vontade de fazer coisas, mas não sabia quais. E às vezes tinha vontade, mas quando pensava em começar a fazê-las era sempre poder fazer tanta coisa ao mesmo tempo que acabava por nunca fazer nada.

Assim se passavam os dias e os meses, com ela a pensar naquilo que poderia melhorar mas sem acabar por terminar nada, quando deu à costa da Berlenguita um cavalo marinho bem-falante. Falava e barafustava, com a terra dos homens - dos outros homens, aquela terra daqueles que se esquecem que vivem em ilhas e lhes chamam continentes - como se o seu pedaço de terra não estivesse também no meio do mar. Aqueles homens que se esquecem de organizar os 5 sentidos que têm e que aprendem a ver com ouvidos, a olhar com as mãos e a sentir com a cabeça. Que vivem naquela terra que parece terra de malucos, com eles a tentarem falar pelo gosto e a esquecerem-se do cheiro do tacto. Que precisam de algo, que os faça pôr os sentidos no sítio certo, que os faça usar aquilo que guardam sem uso dentro deles. E foi-se embora, o cavalo falante barafustador, e ainda se ouvia quando se afastava a rezingar pelas ondas fora.

A miúda ficou-se a pensar naquilo, nas terras que lhe serviam de horizonte e nos homens que viam com os ouvidos e ouviam com as mãos para sentir com a cabeça. Nada daquilo se passava na Berlenguita e ela sabia qual a razão. A razão era a pedra de Berlenguita, acaso feito ilha, ilha feita pedra-raiz-dos-seres, uma das essências da natureza a aparecer de soslaio na tona do mar. Esta era a pedra da criação que tinha dado origem ao mundo e aos humanos, a ferramenta que a dançarina miúda sabia que poderia repor os sentidos nos sítios. Mas, como conseguir espalhar na ilha gigante, chamada de continente, a pedra mágica e tão consistente?

Pôs-se a pensar durante os entardeceres. Precisava de uma forma qualquer de desgaste, uma máquina que fosse roendo ou desgastando, para da pedra dura tirar pedaços pequenos e soltos, partículas que soltas no vento levassem aos homens que o não escutavam as respostas que não procuravam. E para essa forma de desgaste, precisava de tempo contínuo, algo que nunca parasse e andasse, sempre, andasse, sem nunca sair do sítio. Pegou num pau de bico e fez desenhos na areia, uma forma, outra forma, um meio, outro meio, e por debaixo do seu cabelo as ideias multiplicavam-se. Encontrava várias respostas no vento, quando se lhe bloqueava o raciocínio e fixava os seus olhos brilhantes no horizonte de terra. Via passar o vento, multi-colorido-transparente, a encorajá-la e a prometer-lhe ajuda.

Da construção que tomou em mãos nasceu o primeiro moinho da história das lendas, com grandes palas a rodar dia e noite, a fazer girar pedra sobre a pedra e a transformar o duro em farinha. Quando o montinho de pedra-raiz-dos-seres transformada em farinha já cabia nas duas mãos em concha da corajosa e perspicaz miúda, ela soube que tinha chegado a hora de a soltar em frente às pálas do moinho. Nova função para a mesma construção, e chamar pelo vento para que levasse o pó mágico aos homens do continente que na sua grandeza se tinha esquecido do seu rebordo banhado pelo mar, como todas as ilhas.

Diz-se que os homens ganharam nessa época novo entendimento. Mas diz-se que às vezes o perdem, esquecendo-se de ver com os olhos e ouvir com os ouvidos. Seja como for, a Berlenguita vai ficando cada vez mais pequena e os ambientalistas culpam o aquecimento global, os geólogos os fenómenos naturais de desgaste do mar, os biólogos a introdução de novas espécies em ambientes não-hostis e sei lá que mais.

Eu, pessoalmente, não acredito em lendas e quando olho para as Berlengas nunca vi lá nenhum moinho. Mas já conheci gente de olhos brilhantes a quererem fazer coisas sem saber o quê... e tenho a sensação que seja o que for, será da mesma matéria que as lendas feitas histórias que provocam esse teu sorrir.
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo