sábado, julho 30, 2005

Baboseiras ou demasiado tempo livre para pensar em coisas estranhas.

Tenho cá para mim bem definido, uma daquelas convicções que se ganham ao longo da vida e se fica agarrados a ela, que, apesar do equilíbrio natural da natureza (isto é redundante? devido ao progresso não creio que seja tão redundante como isso...) o mundo funciona perfeitamente em harmonia. Assim, há os predadores e os "predados", as grandes árvores e as trepadeiras que se alimentam delas, o ar, o vento, o fogo e a terra. Tudo se encaixa, encadeia em perfeita harmonia num equilíbrio tão bem pensado que é desde os primórdios atribuído a entidades superiores. Antes de o ser humano perceber os factores desse encadeamento e ficar maravilhado na sua ignorância até que os foi descobrindo e ficar maravilhado com a sua genialidade.

Ora pois, a minha convicção, aquela ali de cima, da primeira frase e que por grandes artes de suspense e mistério ficou em stand-by graças à magnifitude da minha escrita (*cof cof*), a minha convicção, dizia eu, é que há um pequeno pormenor que nos transformou em capitalistas, a nós humanidade. E esse pormenor, just a detail, é o facto de o mar ser salgado. Se o mar fosse "ensonso", isto é, se toda a água do mundo não tivesse sal, haveria um mundo próspero, rico e fértil para todos os seres vivos. Dessalinizar a água é um processo que sai caro e, se não fosse isso, todas as terras poderiam ser mais ou menos férteis, claro está, variando as culturas nelas implementadas, mas não haveria fome no mundo.

Esta é uma daquelas convicções a que se chega numa noite de bebedeira e tal. Ora, noutra noite de bebedeira e tal foi engraçado. Ora note-se, toda a gente sabe que a camada de Ozono está a ser destruída, o clima está a mudar a pouco e pouco e essas coisas todas. "Aquecimento global" é a expressão de ordem. Grandes blocos de gelo a derreter e a aumentar o nível de águas dos oceanos. Há primeira vista isto é devastador e essas coisas todas... E talvez se venha mesmo a dar um desastre climatérico enorme, algum tempo com monstruosas tempestades, gelo por todo o lado, o mundo transfigurado numa segunda era do gelo. Como quando os dinossauros se extinguiram.

Agora imaginem que, o gelo derrete mesmo, junta-se com a água salgada e a salinização existente reduz-se drásticamente. Ficava o pormenor resolvido...

Quando se deu a revolução industrial foi a primeira vez na história da humanidade que teria sido possível acabar com a fome no mundo, conseguir um equilíbrio em todas as civilizações. O que aí vem pode muito bem ser a nossa segunda hipótese de conseguir um mundo perfeito. Ou pelo menos mais perfeito.

Claro que, um desastre natural destas dimensões acarrataria centenas de milhares de mortos... Mas haveria um renascer posterior onde isto poderia ser possível. Não sei, para os religiosos, talvez uma segunda arca de Noé aportando a hipótese de um paraíso no mundo.
Enviar um comentário
Ocorreu um erro neste dispositivo